20/09/2018

Anitta, posicionamento e, de novo, a polêmica do Pink Money


    Esse é mais um daqueles posts do blog que nunca nem entrou no planejamento oficial de postagens, mas devido a todo o bafafá sobre essa história, acho que merece um lugarzinho de destaque aqui.

    Ano passado, durante o BEDA, publiquei um textão aqui falando sobre o pop do discurso de ódio que muita gente atribui a Taylor Swift e seus shades em clipes. Não sei bem porque tô usando esse post para contextualizar, mas acho que é pelo fato de tanto a Taylor quanto a Anitta serem cantoras pop de sucesso estrondoso e adoradas por certa parte do público LGBT.

    Essa terça, no dia que tenho dedicado a fazer os meus textos, publiquei minha breve reflexão sobre as eleições deste ano e como as possibilidades e a situação toda, na verdade, está um pouco caótica. Esse post você pode conferir aqui.

     Vamos agora ao assunto que trataremos aqui. No texto das eleições, eu cito um grupo de mulheres que se reuniram para mostrar que estão contra um determinado candidato a presidência (cujo nome não será citado por motivos de #EleNão), que foi hackeado por apoiadores desse candidato e causou um alvoroço. Bem, esse não era o único grupo de pessoas contrárias ao candidato, mas foi o pioneiro. Depois das mulheres unidas contra, outras minorias, como negros e LGBTs, criaram grupos para mostrar seu desprezo a esse cidadão e articular não só formas de protesto, mas também se organizar para derrotar o candidato nas urnas.

18/09/2018

O que eu tô achando dessas Eleições?


    Amiras, hoje vamos ter um textão bem sincero. E, como vocês já viram o título e o banner, já sabem que vamos falar de política.

14/09/2018

Legado Confiante - O PRIMEIRO ENCONTRO DA CHRISTINA E OUTRAS HISTÓRIAS



    Oi oi, amiras! Como estão vocês em mais uma semana? Eu tô até bem, obrigada! O episódio de hoje do Legado Confiante vai ser um pouquinho longo pois eu acabei me empolgando e jogando a Primavera todinha! Hahahahah, desgurpe!

11/09/2018

Vintedois.


    Este não é um texto de agradecimento.

    Este não é um texto comemorativo.

    Nasci há 22 anos. Ainda é pouca idade, eu sei, mas as coisas não estão fáceis pra mim. Já não são há algum tempo, na verdade.

    Eu, que cresci uma menina cheia de sonhos, com feitos maiores do que poderia imaginar, me vejo presa. Não consigo ser eu mesma na minha própria casa. As pessoas que tecnicamente deveriam me apoiar mais parecem querer me sufocar. E eu não posso reclamar, pois apesar de não conseguir expressar em palavras minha gratidão por tudo que fizeram pelos últimos anos POR MIM, ganho fama de egoísta e ingrata. Só porque quero viver a minha vida.