27/04/2017

Querido diário, estaria o mundo de ponta cabeça?

        ATENÇÃO: O conteúdo presente no texto a seguir é de inteira e total responsabilidade da autora (que no caso sou eu). Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência, até porque eu estou falando mesmo da realidade.

    Desde pequenos nós somos orientados a respeitar os mais velhos. Eles são mais sábios, viveram mais, viram muita coisa... Até certa idade nós somos subordinados deles, inclusive - na teoria seria até completarmos 18 anos, mas sabemos que na prática não é bem assim. Enfim, é a regra que sempre ouvimos: somos mais jovens, temos que obedecer. Nossas opiniões não são importantes, temos que seguir o que os mais velhos dizem. Mas será que tem que ser assim?

    Quem aqui não estava lá quando a internet começou a ficar popular? Era ICQ, MSN, Orkut, várias redes. Eu devia ter o que, uns 10 anos quando criei minhas primeiras contas nas redes sociais e, óbvio, precisava dos cuidados de adultos. Minha mãe não deixava eu colocar minhas próprias fotos, alertava para os perigos de quem eu poderia encontrar e conhecer ali, que nem todo mundo era quem aparentava... Em resumo: dizia pra eu não acreditar em tudo que encontrasse pela internet. E esse mandamento sagrado rege minha vida até hoje, que tenho 20 e, mesmo que ainda esteja sob o olhar atento da família, não preciso mais dos cuidados e das orientações.

    O problema começa quando o conselho é dado mas não é seguido pelos próprios adultos. Quantas correntes a gente já não viu nossos pais, tios, padrinhos e outros parentes mais velhos compartilharem por aí? Quantas coisas eles vieram, alarmados, falar conosco e quando questionamos, a frase "ah, mas eu vi na internet" saía, como se pra comprovar que era verdade o que diziam? E quando a gente vê que é mentira e tenta alertar, acham que é bobeira nossa, que somos jovens e não entendemos nada. Como se não pudessemos trocar ideias como seres humanos que somos.

    Eu meio que culpo isso pela quantidade de pessoas inseguras que conheço - eu inclusa. Se os mais velhos sempre desvalidam nossas questões, ideias e sonhos, que confiança nós jovens vamos ter pra tocar nossas vidas? Só porque estamos provando que a ordem que sempre aprendemos não está 100% certa? Que nós temos SIM que respeitar os mais velhos, mas que o que temos a mostrar pro mundo é tão importante e válido quanto o que eles podem oferecer? Estão criando uma sociedade de pessoas sem fé em si mesmas só para reafirmar que sabem de tudo. E não sabem.

    Concluo o seguinte: o mundo não está de ponta cabeça, só está seguindo seu curso natural, que envolve mudanças. É preciso estarmos abertos a elas - e incentivar os mais velhos a se abrir também. Podemos, em qualquer idade, ensinar e aprender. Opiniões são sempre válidas, questões são importantes. É impossível ter todo o conhecimento do mundo, assim como é impossível não ter nenhum conhecimento sobre nada. 

    Ah, e esse é em específico para os adultos mais velhos - eu sei que alguns membros da minha família vão eventualmente chegar até aqui e desde já queria agradecer pela visita. Deixem seus jovens crescerem! Parem de nos tratar como incapazes, isso só vai fazer com que a gente se sinta incapaz. Se notarem algo errado, conversem conosco não de pai pra filha ou tia pra sobrinho, conversem de pessoa pra pessoa. Como vocês amam dizer: não estarão aqui o tempo todo. Nos ouçam, a gente também ouve vocês (mesmo que na maioria das vezes pareça que não). Nos deem um voto de confiança e tenham em mente que uma hora essa situação vai mudar, e pra melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê sua opinião!